O feedback é tão importante para o colaborador quanto para a empresa. Mais que um comentário, ele é um meio de motivar e melhorar o trabalho dos colaboradores e, consequentemente, promover o crescimento da empresa. 

Mas para isso, ele tem que ser assertivo. Como a sua empresa faz esse processo?

O que é feedback?

O feedback é uma espécie de avaliação entre os membros de uma companhia, que funciona com uma espécie de ferramenta de desempenho.

O feedback positivo é uma grande forma de engajar e motivar o seu colaborador, pois ter seu trabalho reconhecido faz com que ele se sinta valorizado. Além disso, é por meio do feedback positivo que o colaborador tem conhecimento dos pontos que mais tiveram destaque no seu trabalho.   

O seu colaborador está desmotivado? Fique atento aos sinais!

O feedback construtivo funciona como uma crítica de melhoria e atenção. Se o seu colaborador está atrasando as entregas, por exemplo, ou se seus valores não estão alinhados com a cultura da empresa, ter uma boa conversa para entender o que está causando a “baixa produtividade” ou comportamentos indesejados pode ajudar a resolver o problema.

Aos gestores, é importante um treinamento de feedback. Qual a melhor forma de apontar um erro? Qualquer falha é importante que seja detalhada para que o colaborador veja esses pontos como uma forma de crescer e se aperfeiçoar. 

Além disso, é preciso ter inteligência emocional tanto para dar, como para receber um feedback. E essa é uma soft skill que faz toda diferença na hora de dar um feedback – seja positivo ou construtivo. 

Banner com CTA do Ebook Geração Z

Separamos 6 dicas para você colocar em prática o feedback assertivo na sua empresa:

Separe o momento de feedback, one-one e checkin de resultados.

  1. Fique de olho no timing: nem tão rápido para que não sofra interferências emocionais e nem tão demorado para que seja esquecido. quando você demora a dar o feedback, aquele assunto acaba perdendo a importância e deixa de fazer sentido. Seja ele positivo ou negativo é preciso ser dado no mesmo momento. Além disso, essa nova geração de jovens que estão chegando ao mercado, tem sede de feedback. Para eles, quanto mais, melhor. 
  2. Estimule a mudança de comportamento: só fazer a crítica não é o suficiente, mostre como seu colaborador pode melhorar dizendo exatamente o que ele deve fazer a partir daquele momento. Dica importante: acompanhe a evolução desse colaborador. Em caso de melhorias após o feedback, elogie e deixe ele ciente que você notou essa mudança. 
  3. Seja claro e objetivo: explique exatamente quais são os pontos construtivos e positivos do colaborador, utilize exemplos assim ele poderá trabalhar nas melhorias. É muito comum nos feedbacks construtivos, os gestores ficarem com receio de pontuar falhas. Se isso acontecer, a equipe pode acabar perdendo com um colaborador que não performa, além disso, o colaborador perde a chance de se desenvolver – pois, muitas vezes, ele pode não perceber a baixa produtividade.  
  4. Escute o que o seu colaborador tem a dizer: deixe ele a vontade para expressar o que sente sobre o trabalho e o ambiente. O problema deve ser resolvido em equipe e ele deve se sentir seguro para emitir sua opinião.
  5. Inicie o feedback com os pontos positivos: depois de destacar sua virtudes e ver que seu trabalho é reconhecido fica mais fácil receber as críticas e se empenhar para mudar. 
  6. Acompanhe o colaborador: depois de dar um feedback, esteja atento ao seu desempenho e mostre que a empresa tem um real interesse no seu desenvolvimento. Dica importante: deixe registrado todos os feedbacks, envie por e-mail ao final do encontro com o colaborador, assim, você poderá acompanhar o histórico e evolução do colaborador. 

O feedback quando aplicado de forma assertiva vai ajudar o colaborador a executar suas funções da melhor forma possível, além de demonstrar que a empresa valoriza o seu trabalho.

Quando o colaborador é ouvido pela empresa, ele se sente mais satisfeito e confiante, refletindo no seu rendimento dentro da empresa.